A recolha de líquido cefaloraquidiano é um método invasivo que requer sedação do paciente e acarreta alguns riscos. No entanto, a sua análise torna-se essencial para descartar numerosas patologias, nomeadamente infecciosas e do foro neurológico.